FEDERAÇÃO DOS METALÚRGICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO 

Rua Pará, 66 - Higienópolis - São Paulo - SP - Tel.: 3217--5255

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram
  • YouTube
logo z.jpg

 

Ano Novo, a luta se renova

Por mais um ano a classe trabalhadora sentiu na pele – e no bolso – as duras consequências de um processo político, econômico e social totalmente desordenado e cheio de equívocos. O ano de 2019 foi marcado pelo aprofundamento da reforma trabalhista, que completou dois anos de vigência sem cumprir sua principal promessa: gerar empregos. Quando apresentou a proposta, em 2016, o governo Michel Temer defendeu que a medida seria capaz de gerar 2 milhões de vagas entre 2018 e 2019. 

O que vemos atualmente é que a taxa de desemprego mudou pouco – era de 12,2%, em outubro de 2017, e em outubro de 2019 apontou 11,8%, segundo dados do IBGE. Vale ressaltar que houve aumento nos empregos informais – que na maioria das vezes não garantem o básico aos trabalhadores, desestabilizando o acesso ao consumo. No caso dos empregos formais, foram gerados cerca de 961.267, abaixo do prometido pelo governo Temer. Além disso, a “alta” do emprego formal inclui o trabalho precário e salários menores.

 

Paralelo a isso, a  nossa Federação seguiu trabalhando firme com o objetivo de garantir a integridade dos trabalhadores metalúrgicos de todo o Estado de São Paulo. Em 2019, fizemos garantimos mais uma vez nossa Convenção Coletiva . Pudemos perceber também que a categoria está mais envolvida com o nossos Sindicatos filiados e está entendendo que estamos sendo alvo de uma série de medidas injustas. A mobilização dos trabalhadores tem sido fundamental contra os desmandos da nova lei trabalhista – e também o aumento nos salários.  

 

Com a máxima do “menos direitos e mais empregos”, o governo Bolsonaro, que conta com a liderança de Paulo Guedes na ala econômica, vem com a tal do contrato de trabalho “Verde e Amarelo” (MP 905), que além de  isentar os patrões de recolher tributos, reduz ou retira direitos dos trabalhadores. Além de propor a taxação do seguro-desemprego  em ao menos 7,5%. Tudo isso sem remuneração extra por ter feito jornadas em dias e horários extraordinários, inclusive aos finais de semana.

 

Pois é, por conta do nosso histórico de mobilizações, lutas e conquistas, tais medidas ainda não são Lei, mas serão votadas em breve no Congresso Nacional. É por estas e por outras que nossa Federação, os Sindicatos e os trabalhadores devem estar próximos e mobilizados para mantermos tudo que foi conquistado até aqui. Em um 2020 que se inicia cheio de incertezas, a nossa certeza é que A LUTA CONTINUA. 

Eliseu Silva Costa

Presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo