Buscar

Façamos como a Espanha

Iniciamos 2022 com um grande acontecimento vindo da Espanha: a aplicação de uma nova legislação que anula os efeitos nocivos da reforma trabalhista aprovada no país em 2012. O fato repercutiu positivamente entre os setores à esquerda e progressista da política nacional e também entre os sindicalistas, representantes legítimos dos trabalhadores. Não poderia ser diferente, afinal, foi um avanço significativo aos trabalhadores espanhóis que pode nos servir de inspiração. 


Obviamente que os setores mais conservadores e reacionários da política e da indústria nacional trataram de agir por meio da grande influência que possuem na nossa generosa - e muito bem financiada - imprensa. Declarações, entrevistas e artigos defendendo o indefensável foram publicados. 


É importante lembrar que a reforma trabalhista da Espanha foi uma das inspirações para a reforma feita no Brasil, em 2017, sob o governo de Michel Temer. A falácia de lá  foi a mesma daqui: modernizar as relações de trabalho, geração de empregos, dar liberdade ao trabalhador, etc. No final das contas, a principal consequência foi a precarização do trabalho e vagas mal remuneradas, com menos direitos e péssimas condições de trabalho. 


O governo Bolsonaro, apoiado pelas elites industriais, segue atuando pelo aprofundamento da reforma trabalhista no Brasil. Os companheiros de diversas categorias já estão sentindo na pele o ardor da precarização. 


Nós, trabalhadores, não temos outra saída que não seja a mobilização e também a consciência política. Sim, precisamos estar em constante mobilização diante dos temas trabalhistas e eleger representantes legítimos dos trabalhadores na política para que possamos reivindicar e reverter a situação vigente.


Estamos em ano de eleição. Sendo assim, que possamos analisar muito bem as conjunturas trabalhista, política, social e econômica na intenção de criar um horizonte mais próspero e de superação deste cenário precário que estamos vivendo. 


Que possamos avançar, tal como a Espanha. 


A luta continua! 



Eliseu Silva Costa 

Presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo



Fonte: Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos de Jundiaí